terça-feira, 13 de março de 2012

CARTA PADRÃO AO AMOR DISTANTE


Nome da cidade, tanto de tanto de dois mil e tanto. 


Nome do amado ou apelido (para ficar mais íntimo),


Mais uma vez esse é nosso meio de comunicação: uma carta. Tal como você gosta porque diz que elas são românticas, mas poderiam ser aquelas milhões de mensagens que a gente troca todos os dias. Poderiam ser horas a fio no celular, no chat do face ou no Skype ou até no quase aposentado msn. Não importa como, mas a distância sempre faz com que a gente tenha que afirmar nosso amor. E eu não sei o porquê dessa necessidade, mas ela existe. E eu tô aqui mais uma vez pra dizer isso. Mas não só...


Quero uma resposta, aliás, espero uma resposta IMEDIATAMENTE. Ou você pensa que eu tô escrevendo algo para o nada?? Não. Mais uma vez não. Quero causar sim algo em você. Não sei bem que sentimento, mas pode ser aquele mesmo de quando a gente se abraça e fica horas naquele beijinho delicado. Fica horas naquelas bitoquinhas que agora se tornaram lembranças torturantes.


E vou dizer de novo: eu não te esqueci. Eu nunca vou te esquecer. Sabe por quê? Porque você é especial demais para que isso aconteça. Nossaaa, até tô me surpreendendo com minha capacidade melancólica-apaixonada-grudenta, mas pra dizer a verdade não consigo mais viver sem você, sem a sua presença. E eu já te disse isso milhões de vezes.


Xiii... eu sei que você está rindo aí com aquela cara de deboche. Sim, sou idiota. Você me fez idiota, em um bom sentido, mas fez. Então, o que você quer de mim??? Me prender à tua vida como se eu fosse uma princesa de contos de fada??? Se é isso, acho que você conseguiu. E eu me mato por ter deixado. Hmmm, não sei se me mato assim literalmente. Talvez de prazer porque... bem... você sabe, sinto saudades daquelas horas. Entendeu, né?


Olha, vou me despedir porque o dever me chama novamente. Espero sua ‘sms’ e não deixe de atender seu telefone, ok?? Fico puta quando não atende ou quando termina a bateria da porra desse celular. Tá, estou estérica agora. Mas já parei... calma...

Beijos repletos de ‘sms’ e várias horas no Skype. Te amo.


SUA ASSINATURA

P.S.: Essa é uma carta a la Fernanda Young... 

Nenhum comentário: